4/23/2007

O Iraque pode estar a transformar-se na Jugoslávia
Max Boot
20/03/2007

O debate sobre o Iraque começa a assemelhar-se ao debate sobre a Jugoslávia do início dos anos 90. Ouvimos de novo que estrangeiros enlouquecidos estão atolados em antigos ódios étnicos, e que os Estados Unidos não têm razão para se envolver nas suas lutas intestinas. Ironicamente, alguns dos que apresentam este argumento "realista" resistiam à sua lógica espúria há 15 anos. Tinham razão em fazê-lo então, e estariam tragicamente errados se sucumbissem ao canto da sereia do não-intervencionismo hoje.

Na ex-Jugoslávia, tal como no Iraque, vários grupos étnicos digladiam-se há anos, mas também tiveram longos períodos de coexistência pacífica - e não apenas sob a mão pesada de um Tito ou de um Saddam. Croatas, bósnios, eslovenos, kosovares, macedónios, montenegrinos e sérvios viveram séculos juntos sob os relativamente benignos impérios dos otomanos e dos Habsburgos. Assim também aconteceu com curdos, xiitas, e sunitas na Mesopotâmia.

Em ambos os casos, as taxas de casamentos entre etnias diferentes eram elevadas, e não havia um movimento popular pela guerra civil. Mais recentemente, o conflito interno foi fomentado por megalómanos como Milosevic e Al-Zarqawi, que procuraram beneficiar da violência e conseguiram ganhar ascendência porque a autoridade central havia desaparecido.

Numa terra sem lei, as pessoas normais foram obrigadas a buscar protecção de milícias sectárias. À medida que estes grupos cometeram atrocidades, alimentaram exigências de vingança, levando a uma espiral de morte. Observando a violência de um confortável sofá, é fácil concluir que "esta gente é um bando de animais, não os podemos ajudar". Mas a violência pode espalhar-se como aconteceu nos Balcãs, quando os combates passaram da Eslovénia (primeira província a separar-se), à Croácia, à Bósnia e ao Kosovo. Um contágio maior foi evitado graças à intervenção liderada pelos EUA.

Hoje, só a presença militar americana impede que o Iraque, já envolvido numa guerra civil de intensidade baixa, degenere num conflito de larga escala como a Jugoslávia. O efeito mais provável desse conflito é descrito num relatório recente, Things Fall Apart ["As coisas desmoronam-se"], de Daniel Byman e Kenneth Pollack, da Brookings Institution.

Byman e Pollack examinaram as guerras civis na Jugoslávia, no Afeganistão, no Congo, no Líbano, na Tchetchénia, em Nagorno-Karabakh, na Somália e no Tajiquistão. "Descobrimos", escrevem, "que o alargamento é comum em guerras civis maciças", e que "embora a sua intensidade varie muito, nos casos piores pode ter efeitos verdadeiramente catastróficos".

Eles citam seis desses efeitos, para lá do pesadelo humanitário.

Primeiro, um êxodo maciço de refugiados, "grandes grupos de pessoas enfurecidas, que servem de campo de recrutamento a grupos armados ainda envolvidos na guerra civil". Por exemplo, foram refugiados palestinianos que iniciaram conflitos na Jordânia em 1970-71 e no Líbano de 1975 a 1990.

Segundo, Estados em guerra civil podem ser santuários para grupos terroristas já existentes (como a Al-Qaeda no Afeganistão) ou criar novos grupos (como o Hezbollah no Líbano).

Terceiro, as guerras civis costumam radicalizar os povos vizinhos. Foi o caso do genocídio no Ruanda nos meados dos anos 90 que originou uma guerra civil no Congo, na qual terão morrido quatro milhões de pessoas.

Quarto, "a secessão gera secessionismo", tal como sucedeu na Jugoslávia.

Quinto: há sempre enormes prejuízos económicos.

Para Byman e Pollack "os problemas criados por esta tipo de alargamento [do conflito] podem levar Estados vizinhos a intervir - para impedir o terrorismo, como Israel tentou no Líbano, para deter o fluxo de refugiados, como os europeus tentaram na Jugoslávia, ou para acabar com (ou retaliar contra) a radicalização da própria população, como a Síria fez no Líbano... O resultado é que muitas guerras civis se tornam em guerras regionais."

Byman e Pollack notam que "o Iraque tem todos os sintomas de vir a criar problemas de alargamento muito graves". É que este é um país com algo de valioso por que combater (petróleo) cujos principais combatentes (curdos, xiitas e sunitas) têm comunidades nos países vizinhos. O potencial do Iraque para gerar terrorismo é ainda maior que o do Líbano ou o do Afeganistão.

Talvez seja tarde de mais para evitar esta catástrofe. Mas a Jugoslávia mostrou o quanto uma intervenção decisiva pode fazer. O argumento a favor da acção - enviar mais soldados e não retirar os que lá estão - é mais forte no Iraque porque fomos nós a causar a turbulência e não podemos fugir às suas consequências.

3 Comments:

Blogger ringthane said...

Onde apanhaste este?

terça abr 24, 07:43:00 da tarde  
Blogger ouroboro13 said...

Algures no Público, está bonzinho, no meio de tanta merda que se escreve sobre o assunto.

sexta abr 27, 09:19:00 da manhã  
Blogger leprechaun said...

Conclusão:

A mentira é sempre uma má razão!!!

Quanto ao que sucederá por lá... hummm... o movimento de retirada parece já imparável, logo a tal secessão talvez aconteça... ou não!

E das consequências que para o Ocidente isso terá... semear ventos não ajuda a tomar chá!

So... we shall see... but Islam is spreading fast and free!!! :)

Aquilo que Carlos Martel conseguiu em Poitiers não se repetirá outra vez, que a roda da História vai girar e os novos tiranos esmagar!

Do Ocidente para o Oriente o Império do Mundo mudará... e o que era cá será pois lá!

Quadras já à Nostradamus...

Rui leprechaun

(...de um Gnomo ignoramus! :))

segunda mai 21, 02:01:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home